5 dicas para apreciar melhor seus filmes e séries

ANTES DE COMEÇAR A LEITURA: Você é um ser humano livre para ver um filme ou série como bem entender. Cada pessoa tem seus próprios métodos e preferências sobre como consumir entretenimento ou obras de arte. O objetivo deste artigo está longe de ser cagar regras, mas sim apresentar um método específico, que você pode curtir ou não. Fique à vontade! 😉

Há algum tempo li um livro cuja proposta era ensinar a ler livros de uma maneira melhor, chamado Como Ler Livros – o Guia Clássico Para a Leitura Inteligente. Percebi que alguns dos ensinamentos também poderiam ser aplicados a filmes e séries, e resolvi criar esse “guia”: um passo a passo de como assistir a essas obras e tirar o máximo possível delas.

Se em algum momento você achar isso tudo muito trabalhoso ou até prepotente, lembre-se do aviso no primeiro parágrafo do texto, ignore tudo isso aqui e dê play no seu filme favorito. Pode ser até algum do Adam Sandler.

 

adam sandler

 

1 – Antes de assistir, uma rápida pesquisa

Este primeiro passo pode parecer esquisito, principalmente com o problema que assola o mundo atual: os spoilers. No entanto, uma boa forma de absorver melhor o conteúdo de uma obra é saber de antemão os principais temas que ela irá abordar.

Essa pesquisa inicial pode te ajudar a ficar mais atento a detalhes que poderiam passar despercebidos e já começar uma reflexão sobre estes temas desde o início. Afinal, quantas vezes você terminou de ver um filme e ficou totalmente perdido, mas quando pesquisou um pouco sobre ele toda a sua perspectiva mudou?

Nesta etapa é realmente importante buscar sites que não deem spoilers. Eu pessoalmente gosto de dar uma olhada nas sinopses e curiosidades (trivia) sobre as obras no IMDB, e na curadoria de resenhas críticas do Rotten Tomatoes, que sempre faz o link para os sites originais. Mas é importante sempre ficar de olho e no caso de sinais de spoilers, fechar a aba correndo!

 

melisandre - a internet é escura e cheia de spoilers - game of thrones

 

Também vale conversar com amigos que já viram e gostaram do filme/série e perguntar sobre o que se trata e porque eles gostaram tanto. Nada melhor do que pessoas empolgadas com algo que elas amam para entrar no clima e já se preparar para as principais temáticas daquele filme ou série.

Você pode ir ainda mais além e pesquisar um pouco sobre histórico do autor/diretor daquela obra. Isso pode ajudar a entender muita coisa, como por exemplo os principais temas que ele gosta de abordar, que tipo de referência gosta de fazer, como gosta de contar a sua história e que com que outras obras ela se relaciona direta ou indiretamente.

É a mesma diferença de ouvir uma música isolada ou a mesma música no álbum do artista. Apreciando a obra com a intenção do artista em mente e com uma visão das partes que compõem o todo, sua experiência provavelmente será mais completa.

 

2 – Nada de maratonar!

 

clube da luta - edward norton vendo tv

 

Assista, mas com moderação. Uma boa obra geralmente precisa de algum tempo para ser digerida.

Um bom exemplo disso é Black Mirror. Realmente é necessário um tempo para absorver o conteúdo. Engatar um episódio no outro nesse caso pode fazer com que você não reflita sobre todos os temas trabalhados em um episódio, que geralmente são múltiplos.

Assistir a uma temporada inteira de uma série pode parecer atrativo, mas ela vai acabar e você não vai conseguir digerir todas suas nuâncias. E isto é natural.

Existe uma teoria na psicologia chamada de Regra do Pico-Fim (Peak-End Rule), que diz que em geral julgamos as experiências que vivemos com base em como elas nos fizeram sentir em seu pico mais intenso de emoção e como ela fez nos sentirmos ao seu final. Este fenômeno contraria o senso comum de que a nossa memória avaliativa de algo se daria pela média geral de como nos sentimentos ao longo dessa experiência.

Na prática, isso quer dizer que consumir muito conteúdo de uma vez pode afetar o modo como você se irá se lembrar da obra, porque você irá transformar toda sua maratona em uma única experiência, e vai ser mais difícil de absorver tudo o que aconteceu. Quebrando suas maratonas em menos episódios por vez, seu cérebro irá se recordar de mais momentos de “picos emocionais” e de como você sentiu em mais “finais” ou seja, a última parte de cada episódio.

 

3 – Após assistir, uma boa reflexão

A primeira pergunta que vale a pena ser feita ao terminar de assistir algo é: se tivesse que apontar o principal tema, sobre o que você diria que é a obra?

Em geral, toda obra tem um ou dois temas principais. São o(s) assunto(s) sobre os quais o autor gostaria que você realmente refletisse. Em alguns momentos, o tema central da obra fica bem óbvio, como no caso de Coração Valente, por exemplo. Acho difícil alguém discordar que é um filme sobre a conquista da liberdade.

 

coração valente - mel gibson william wallace

 

Em outros momentos o tema central está disfarçado, escondido embaixo de alguma outra questão. No filme Extraordinário, a princípio poderia se afirmar que a temática central é o bullying e como julgamos e maltratamos quem é diferente de nós. No entanto, embaixo da superfície vemos que é um filme sobre como cada pessoa tem uma história própria e motivações pessoais para agir como age. Como diz uma frase citada no filme, “Todo mundo que a gente encontra na vida está enfrentando uma batalha que você não sabe nada a respeito. Seja gentil com todo mundo. Sempre!”.

E no caso de O Senhor dos Anéis? Seria um filme sobre como o poder pode corromper as pessoas? Ou pode-se dizer que é um filme sobre amizade em tempos difíceis, sendo representada por Frodo e Sam?

Seria O Resgate do Soldado Ryan uma obra sobre os horrores da guerra? Ou sobre como em alguns momentos a coisa certa a se fazer não é necessariamente a mais racional? Afinal, no filme arrisca-se a vida de um batalhão inteiro para devolver um filho para mãe, e diminuir a dor da perda de seus outros três rebentos.

Enfim, nem sempre a temática central fica óbvia e nem sempre existe apenas uma. Mas o mero exercício de interpretação e de tentar chegar ao cerne da questão já é tudo que você precisa para gerar uma reflexão de qualidade e extrair mais da obra.

 

4 – Entre a fundo na discussão!

 

inception - we need to go deeper

 

O filósofo americano John Dewey, defende que a obra de arte só se torna completa com a participação do espectador. Ou seja, é necessário que exista a tríade artista, obra de arte e telespectador para que a obra se concretize. E faz total sentido, afinal, cada pessoa é um universo próprio de experiências passadas, interesses, referências etc.

Com isso, é muito provável que outras pessoas tenham captado nuâncias que você não captou. Ou que tenham interpretado a intenção do autor de forma totalmente diferente da sua. Por isso, uma das partes mais ricas do processo de assistir uma série ou filme é acompanhar a discussão e as diferentes percepções do público.

Eu pessoalmente gosto muito de fazer isso pelo Reddit, que é uma rede social bastante focada em texto e que atua como um fórum sobre os mais diversos assuntos. Apesar do visual nada amigável assustar um pouco, nele existem os subreddits, ou sejam subfóruns sobre assuntos específicos, desde uma série a coisas bizarras, como montagens de pássaros com braços. Então qualquer que seja o filme ou a série, a discussão vai estar comendo solta por lá.

Além de obviamente buscar reviews e críticas e opiniões em blogs e sites especializados, outra forma bacana são os videologspodcasts. Em geral os podcasts adentram nos assuntos com mais profundidade por serem mais longos, mas nada impede que videologs também abordem temas profundos. Um exemplo disso é a série Imaginário de Stranger Things 2, que com vídeos de até 10 minutos consegue discutir com bastante densidade assuntos complexos da série.

Dentre os podcasts, três que indicaria são o Matando Robôs Gigantes, que usa bastante o humor para falar dos principais lançamentos da cultura pop, o RapaduraCast, que analisa tanto clássicos quanto blockbusters, e o AntiCast, que entra em bastante profundidade nos assuntos.

 

5 – “Leve a obra” com você para todos os lugares durante um tempo

 

a bela e a fera - bela lendo livro na cidade

 

Você pesquisou sobre o filme, assistiu, refletiu e discutiu sobre ele. Acabou, né? Não necessariamente! Agora vem a parte mais legal.

Depois de assistir algo profundo e que mexeu com você, uma das coisas mais interessantes é voltar ao seu “mundo real” e tentar ver as coisas com as lentes desta obra. Essa é a magia da arte, a cada filme ou série que vemos, nos tornamos pessoas diferentes… e passamos a ver as coisas realmente com outros olhos.

A arte é capaz de nos apresentar não só diferentes pontos de vista sobre o mundo, mas também mundos totalmente novos. É como voltar de uma viagem e perceber que existem outras formas de se fazer as coisas, e que o que consideramos como padrão nem sempre é o único modo de se viver.

Filmes com histórias muito tristes podem nos ajudar a olhar para a nossa própria vida de forma mais satisfatória. E filmes de superação podem nos empolgar a começar um novo projeto, ou encarar de frente algo que estávamos adiando.

Capitão Fantástico, por exemplo, é um filme que nos faz avaliar nossos objetivos e modo de viver a vida, assim como a sociedade capitalista como um todo. Será que estamos valorizando as coisas certas na vida? Black Mirror também é um ótimo exemplo disso. Após cada episódio voltamos ao “mundo real” revendo nossa relação com a tecnologia e pensando se estamos dependentes demais.

Muitas vezes não fazemos conexões tão diretas entre o que vemos e nosso comportamento no mundo, mas com certeza algo em nós mudou.

Como disse o escritor Ralph Waldo Emerson, “Não consigo lembrar dos livros que li ou das refeições que comi, mesmo assim, eles me fizeram a pessoa que sou”.

 

E você, tem alguma dica para apreciar melhor filmes e séries?

 

Não esqueça de nos seguir no Facebook ou no Twitter! 😉

Marcos Malagris

Publicitário, professor de marketing digital e graduando em Psicologia, gasta seu escasso tempo livre navegando na Interwebz, consumindo nerdices e contemplando a efemeridade da existência. Me siga no Twitter ou no Facebook!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *