Você conhece o Paradoxo da Celebridade? Ele vai fundir seu cérebro!

O Paradoxo da Celebridade trata das complicações de se lidar com um universo ficcional, povoado por personagens interpretados por atores do nosso universo real, que não poderiam figurar nas obras culturais existentes neste universo ficcional. Deu nó no cérebro?

 

 

Vamos direto a um exemplo para ilustrar a situação. Lembra da participação especial de Bruce Willis em Friends, interpretando Paul Stevens, namorado da Rachel e sogro do Ross?

Então, o personagem é apresentado ao resto da turma, mas Joey e Chandler, que em episódios anteriores demonstraram serem fãs inveterados de Duro de Matar, não reconhecem o personagem de Bruce Willis como o ator de seu filme preferido, ou tampouco fazem comentários sobre o fato dele ser muito parecido com o ator de Duro de Matar.

 

bruce willis em friendsPrazer Sr. Stevens, mas acho que conhecemos você de algum lugar

 

A pergunta que fica é: no universo ficcional de Friends, o personagem principal de Duro de Matar seria interpretado por outro ator?

Esta seria uma das opções para se resolver o Paradoxo da Celebridade. Na cena abaixo, do filme O Último Grande Herói, comédia de 1993 com Schwarzenegger, vemos uma brincadeira com essa possibilidade de resolução do Paradoxo da Celebridade. No universo do filme, O Exterminador do Futuro seria interpretado por Sylvester Stallone e não Schwarzenegger:

 

 

A outra seria a possibilidade das obras culturais do universo ficcional serem totalmente diferentes das do universo real. Esta segunda opção nem sempre funciona, considerando que muitas vezes os personagens de um universo ficcional fazem referências a obras reais.

Do ponto de vista da narrativa, essas referências seriam importantíssimas, já que ajudam na construção dos personagens, denotando seus gostos pessoais e desenvolvendo a empatia com o espectador. Afinal, qual seria o sentido de um personagem fazer uma referência a filme imaginário, que só existe naquele universo fictício?

E Friends é uma das séries em que o Paradoxo da Celebridade ocorre com maior frequência. Por exemplo, na lista de celebridades com quem Ross pode dormir sem que Rachel fique chateada, está o nome de Winona Ryder, que aparece em um episódio posterior da série como uma colega de escola de Rachel. Susan Sarandon também está nessa lista, e Joey tem um caso com uma personagem interpretada por ela.

 

susan sarandon em friends
Susan Sarandon em Friends: Ross ficaria com ciúmes

 

Hoje em dia o Paradoxo da Celebridade já é muito explorado de forma intencional, como recurso cômico. Nos filmes da Marvel, que já viraram uma farofada total, isso costuma ocorrer bastante. Em Quarteto Fantástico e o Surfista Prateado, por exemplo, Stan Lee tenta invadir o casamento de Reed e Sue, gritando “Eu sou Stan Lee!”. Em Deadpool, o personagem faz comentários sobre o ator que lhe interpreta, Ryan Reynolds, e sobre Hugh Jackman.

Alguns outros exemplos do Paradoxo da Celebridade:

 

Sr. e Sra. Smith

No filme, o personagem “The Tank”, interpretado por Adam Brody, usa uma camisa do filme Clube da Luta. O Sr. Smith, interpretado por Brad Pitt, também fez o papel de Tyler Durden, em Clube da Luta, mas o personagem não parece reconhecer a semelhança.

 

sr e sra smith - paradoxo da celebridade

 

Doze Homens e Outro Segredo

Na sequência de Onze Homens e um Segredo, Julia Roberts interepreta a personagem Tess Ocean. Em uma das cenas, Tess se infiltra em um museu se fazendo passar por… Julia Roberts! E o filme ainda brinca com a situação, quando a personagem reclama que é “muito pessoal” tentar se passar por alguém real que está em algum lugar naquele momento.

 

julia roberts em doze homens e outro segredo

 

Simplesmente Amor

Na comédia romântica, o ator Liam Neeson faz diversas piadas sobre seu desejo de que a Claudia Schiffer aparecesse e eles começassem um relacionamento. Na parte final do filme, ele conhece a personagem Carol, interpretada pela própria Claudia Schiffer.

 

claudia schiffer em simplesmente amor

 

Clube da Luta

Em uma das cenas do longa niilista de David Fincher, os personagens de Edward Norton e Helena Bonham-Carter passam em frente a um cinema que anuncia em cartaz o filme Sete Anos no Tibet, estrelado por Brad Pitt, que também também interpreta Tyler Durden.

Um fator interessante é que a cena se passa após o personagem principal descobrir que Tyler Durden é sua personalidade alternativa, ou seja, o personagem de Edward Norton poderia ter escolhido inconscientemente usar a imagem de Brad Pitt, um ator famoso e conhecido no seu universo, para interpretar seu alter-ego.

 

clube da luta sete anos no tibet

 

Os Goonies

Neste clássico dos anos 80, alguns dos personagens mirins estão assistindo na TV o clipe de Cyndi Lauper, que está cantando The Goonies ‘R’ Good Enough. Ou seja,  música tema do filme existe em seu próprio universo! O mais bizarro é que as crianças de Goonies aparecem no clipe oficial da música de Cyndi Lauper, apesar de não estarem na exata cena em que ele é mostrado na TV durante o filme.

Enfim, acho que os anos 80 tinham liberdade poética pra essas coisas…

 

cyndi lauper em goonies

 

 

E aí, consegue lembrar de mais algum exemplo do Paradoxo da Celebridade? Comente!

Marcos Malagris

Publicitário, professor de marketing digital e graduando em Psicologia, gasta seu escasso tempo livre navegando na Interwebz, consumindo nerdices e contemplando a efemeridade da existência. Me siga no Twitter ou no Facebook!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *