Dark: Tábua Esmeralda, Triquetra, Uroboros… afinal, quem é Noah?

O Netflix fechou o ano de 2017 nos apresentando Darkuma das série mais desgracentas dos últimos tempos.

Criada por Baran bo Odar e Jantje Friese (Invasores: Nenhum Sistema Está Salvo), Dark é a primeira produção alemã do serviço de streaming. A série teve um sucesso tão instantâneo que 3 semanas após o seu lançamento já veio a notícia de sua renovação para mais um ano.

O final da primeira temporada de Dark trouxe diversos questionamentos e teorias, e esse post abordará um dos mais recorrentes entre os fãs: afinal, quem é Noah?

 

Dark - Padre Noah

 

Como Dark acompanha as gerações de 4 famílias ao longo de 66 anos, é comum se perder e esquecer os nomes dos personagens ou o grau de parentesco entre eles. Pensando nisso, deixaremos aqui uma árvore genealógica dos habitantes de Winden para consulta dos mais esquecidos:

 

Dark - àrvore genealógica

 

A primeira coisa que sabemos sobre a origem de Noah é que ele possui grau de parentesco com Tronte e, consequentemente, Ulrich. Em 1953, Agnes Nielsen chega em Winden com seu filho Tronte e acaba alugando um quarto na casa de Doris e Egon Tiedeman. Ao conversar com Doris, Agnes revela que era casada com um padre, e que ele não era uma boa pessoa.

Além disso, a versão criança de Tronte possui marcas de charuto em seu braço que poderiam ter sido causadas por seu pai. São muitas as pistas que nos levam à conclusão de que Noah é o pai de Tronte, e avô de Ulrich.

Até aí, tudo bem. Mas qual é a identidade de Noah? Seria ele uma versão de um personagem que já apareceu na série? Sobre este ponto, a Internet tem diversas teorias. Nos aprofundaremos agora em três que acreditamos serem as mais interessantes.

 

1 – Noah é a versão mais velha de Bartosz

Dark - comparações entre Noah e Bartosz

 

Esta teoria surgiu de uma discussão no Reddit. As pessoas adeptas a ela interpretaram o diálogo entre Bartosz e Noah no último episódio da temporada como o mesmo feito entre o Andarilho e Jonas no bunker em 1986. Assim, da mesma forma que o Andarilho retorna no tempo para conversar com sua versão mais jovem, Noah ao se encontrar com Bartosz estaria fazendo o mesmo.

De acordo com essa hipótese, Bartosz seria namorado de sua bisneta, já que Noah é o bisavô de Martha Nielsen. Apenas mais um paradoxo que a série nos presentearia.

O problema maior dessa teoria é que Bartosz não aparenta ser muito esperto ou ter muita profundidade, de modo que seria difícil a série justificar uma evolução tão grande em seu personagem. Seria mais plausível acreditar que Noah apenas recrutou Bartosz da mesma forma que convocou Helge, uma vez que tanto Helge quanto Bartosz aparentam ter personalidade influenciável.

 

2 – Noah é a versão mais velha de Jonas

Dark - Noah, Andarilho e Jonas

 

Alguns fãs acreditam que na verdade Noah seria uma versão mais velha de Jonas, e portanto, do Andarilho.

O que se pode inferir da história da primeira temporada é que o Andarilho vivenciou coisas que o fizeram acreditar que viajar no tempo era algo destrutivo e perigoso, de modo que tornou sua missão de vida acabar com o buraco de minhoca das cavernas de Winden. Para ele, impedir as viagens no tempo restauraria o equilíbrio do universo.

No entanto, de acordo com Noah, a explosão gerada pelo Andarilho foi o que criou o portal nas cavernas em primeiro lugar. Aqui, um outro paradoxo: Jonas teria criado aquilo que estava tentando destruir.

Para esta teoria, especula-se que o Andarilho teria ficado obcecado após o seu fracasso em acabar com o portal, de modo que passou a estudar muito sobre viagem no tempo, numa tentativa de melhor controlá-la. Para isso, começou a fazer anotações no que mais tarde se tornaria o caderninho de Noah.

Por ser algo perigoso e que poderia alterar a realidade (presente, passado e futuro), a viagem no tempo não deveria ser tratada de forma leviana. Por esse motivo, Jonas decide que somente ele devia ter o direito de viajar no tempo, uma vez que se considera mais apto para a tarefa que os demais. Afinal, seu pai foi o primeiro viajante, e Jonas teria herdado dele a responsabilidade de zelar pela realidade tal como ela existe, de modo a impedir interferências externas.

Essa teoria traz uma construção interessante do vilão, uma vez que Jonas, um rapaz de boas intenções, se tornaria aquilo que lutou para aniquilar. Bem Anakin Skywalker – Darth Vader.

Por mais fascinante que essa hipótese seja, não acreditamos ser esta a resposta. Toda a construção de Noah indo para o lado negro da Força não explica como o doce Jonas chegaria num ponto de maltratar e queimar seu próprio filho. Não parece verossímil, dentro do contexto da primeira temporada, que ele seria capaz de tamanha crueldade.

Além disso, se Noah e Jonas são a mesma pessoa, isso significa que quando Noah fazia experimentos para viajar no tempo em 1986, o Andarilho (sua versão mais nova) já havia criado o portal nas cavernas que permitia a viagem pelo buraco de minhoca. Sendo assim, por que ele simplesmente não usava as cavernas em vez continuar com tentativas frustradas de fabricar o que já existe? Esse argumento cai por terra se na verdade Noah estivesse sequestrando as crianças para fazer outro tipo de teste.

Por fim, não parece que a diferença de idade entre o Andarilho (Jonas adulto) e Noah (Jonas como um homem de meia-idade) seja grande o suficiente a ponto de justificar uma mudança no elenco.

Passaremos agora para a teoria que apostamos ser a correta.

 

3 – Noah é a personificação de uma entidade

Dark Noah e a entidade tatuada

 

A nossa aposta para a identidade de Noah é de que ele não seja nenhum personagem introduzido na primeira temporada. Ele seria na verdade uma entidade milenar que tem como motivação controlar o tempo e se tornar o único senhor do destino.

Primeiramente, vamos ao significado do nome Noah: o “de longa vida”. Essa poderia ser uma pista para indicar que o personagem é uma entidade tão antiga quanto a criação do mundo.

Reforçando essa teoria, Dark é uma série que está repleta de simbolismos herméticos. O hermetismo é uma tradição filosófica, religiosa e esotérica baseada nos escritos de Hermes Trismegisto, ou Hermes Três-Vezes-Grande, entidade que combina características do deus egípcio Thoth e do deus grego Hermes.

Thoth é o deus egípcio que representava o conhecimento científico, simbolizando a lógica organizada do universo. Ligado à astronomia, é frequentemente relacionado aos ciclos lunares, já tendo sido considerado o deus da Lua. É representado por um humano com a cabeça de um pássaro íbis.

 

Dark - Thoth e Hermes
Thoth e Hermes, respectivamente

 

Já Hermes é o deus grego mensageiro, associado também aos pastores, às viagens e às invenções.

A alcunha de Hermes de “Três-Vezes-Grande” se deve aos escritos da Tábua de Esmeralda, na qual é afirmado que ele havia descoberto as três partes que compõem a sabedoria de todo o universo: a alquimia, a astrologia e a teurgia.

Em Dark, Noah é um padre que faz experimentos com a intenção de controlar a viagem no tempo (referência ao deus grego Hermes). A cada 33 anos (o número 3 é uma alusão ao Hermes “Três-Vezes-Grande”) fecha-se o ciclo lunar-solar (menção ao deus Thoth) em que as estrelas, os planetas e todo o universo estão alinhados e retornam à mesma posição. Isso cria um portal que permite a viagem no tempo, para 33 anos (ou múltiplos de 33, já que o Ulrich de 2019 viaja para 1953) no passado ou no futuro.

 

Dark - ovelhas mortas

 

Além disso, 33 ovelhas (de novo, o número 3) morrem em 1986. Sabemos que Noah está naquele ano, já que o pastor menciona que há um novo padre na paróquia, e este é o ano em que Noah e Helge fazem experimentos no bunker de Helge. Seria a morte das ovelhas outra referência a Hermes, deus dos pastores?

E os pássaros que morrem em 1953, 1986 e 2019, seriam uma alusão ao deus Thoth?

Vamos falar agora de referências mais óbvias que nos levam a crer que Noah seria a personificação de Hermes Trismegisto.

 

a) A Tábua Esmeralda

Se esses não fossem indícios o suficiente, vamos voltar para o conceito da Tábua Esmeralda. Ela faz parte do Corpus Hermeticum (ou Hermética), um conjunto de textos escrito por Hermes Trismegisto que explica a criação da prima materia, base da alquimia equivalente à célula-tronco.

Curiosamente, Noah possui a Tábua Esmeralda tatuada em suas costas, acrescentada de uma triquetra no final dos escritos.

 

Dark - Noah e tabua esmeralda

 

Um dos dizeres da Tábua Esmeralda aparece inclusive em outros momentos da série, como na porta selada dentro das cavernas de Winden: Sic mundus cratus est (Assim, o mundo foi criado). Aqui, novamente há uma associação da escritura com o símbolo da triquetra. Seria Noah o criador da porta?

 

Dark porta sic mundus

 

Para os adeptos dos dizeres da Tábua Esmeralda, todas as ações, sejam em escalas maiores ou menores, estão interconectadas. Essa explicação combina com aquela dada por H. G. Tannhaus, o misterioso relojoeiro que elucida para o Andarilho temas como tempo, espaço e os loopings infinitos gerados pela viagem no tempo.

 

b) A triquetra

A própria escolha da triquetra retoma o simbolismo presente em Dark em relação ao número 3. Na série, ela representa o presente, passado e futuro, e seu ponto de interseção indica os momentos em que as diferentes épocas se cruzam, permitindo assim a viagem no tempo a cada 33 anos.

 

Dark e a triquetra

 

A triquetra é um símbolo pagão presente em várias religiões e seitas. Ela retrata a Grande Mãe, a energia criadora do universo, e suas três faces: a Virgem, a Mãe e a Anciã.

Para algumas religiões cristãs, a triquetra é vista como um símbolo satânico, por se entender que ela seria uma versão estilizada do número 666, considerado o número da besta pelos dizeres do livro do Apocalipse.

A triquetra poderia indicar que Noah é uma entidade que busca o poder de controlar o tempo em suas 3 facetas: passado, presente e futuro. Se considerarmos a interpretação cristã do símbolo, a presença da triquetra poderia indicar que Noah é um ser maligno, com motivações perversas.

 

c) O uroboros

O uroboros é uma insígnia antiga que remete ao hermetismo e à alquimia, e é representada por uma serpente que come seu próprio rabo. O símbolo é utilizado com frequência para retratar o estado cíclico das coisas. É uma representação do Eterno Retorno de Nietzsche, conceito que é jogado (e não muito bem explicado) na série pelo relojoeiro Tannhaus.

Em Dark, Martha apresenta uma peça contando a história de Ariadne, uma figura da mitologia grega que é filha do Rei Minos, dono de um Labirinto que contém um Minotauro no centro. O herói Teseu parte em uma jornada para derrotar o Minotauro, e apesar de Ariadne ser meia irmã da criatura, ela se apaixona por Teseu e decide ajudá-lo em sua missão. Ariadne então utiliza um fio de lã para demarcar o Labirinto, com o intuito de que Teseu conseguisse descobrir o caminho de volta após ter derrotado o Minotauro.

 

 

Paralelamente à peça infantil, Jonas segue a pista deixada pelo Andarilho (Jonas do futuro) e entra nas cavernas, que podem ser consideradas como o labirinto. Claudia deixou um fio vermelho demarcando o caminho, para ajudar Jonas. Não é mera coincidência que o fim do fio está preso a um uroboros, representando que todos os caminhos levam a um mesmo lugar, e que não seria possível escapar do destino.

Estaria Noah tentando quebrar o ciclo natural das coisas, utilizando-se da viagem no tempo para mudar seu próprio destino? Ou estaria ele querendo se certificar de que tudo ocorreria da maneira que deveria acontecer? Esses são alguns dos vários questionamentos que ficaram para a próxima temporada de Dark.

 

Qual é a sua teoria sobre a origem de Noah? Não se esqueça de comentar!

 

Gostou deste post? Siga-nos no Facebook ou no Twitter. 😉

Boo Mesquita

Geek de carteirinha e cinéfila, ama assistir a filmes e séries, ir a shows, ler livros e jogar, sejam games no ps4 ou boards. Quando não está escrevendo, pode ser vista fazendo pole dance, comendo fora ou brincando com cachorrinhos. Me siga no Instagram!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *