Liga da Justiça: não é um Serenata de Amor, mas pelo menos consegue não ser um Caribe

Liga da Justiça é como abrir a caixa de bombons e só ter o Surreal. Não era o que você queria, mas vai matar a vontade de comer um chocolatinho

Após o tom sombrio e de seriedade dado a Homem de Aço e Batman x Superman, principalmente se comparados aos divertidos filmes da Marvel, a Warner percebeu que era preciso dar mais leveza às franquias da DC.

Mulher Maravilha foi o primeiro longa com essa nova proposta, e deu muito certo. O sucesso foi tanto que o filme é atualmente o melhor no rank com a temática de super herói, de acordo com o Rotten Tomatoes.

 

gal gadot mulher maravilhaO olhar sereno de quem é a número 1

 

Liga da Justiça tentou repetir a dose leve e cômica introduzida em Mulher Maravilha. Só que sem tempo para desenvolver seus personagens, principalmente os que ainda não tiveram seus filmes solo lançados, o filme se apoiou exclusivamente no carisma de seus veteranos (especialmente em Diana Prince/Mulher Maravilha), e para compensar a falta de conexão com os novatos, apostou em colocá-los em diversas situações de humor.

Se o filme é bom? Olha, poderia ser pior.

No longa, que começa sombrio, o mundo sem o Super Homem foi dominado pelo medo. Isso despertou o vilão Lobo da Estepe, que se engaja numa missão de recuperar as 3 Caixas Mãe, fontes de poder, e assim dominar o mundo. Para freá-lo, Bruce Wayne (Batman) e Diana Prince (Mulher Maravilha) recrutam outros heróis com habilidades especiais, formando então a Liga da Justiça.

 

liga da justicaSe juntos já causam, imagina juntos

 

O filme tinha potencial para ser mais, mas acabamos com a sensação de que ele foi apenas uma introdução para promover as aventuras solo de seus personagens, com a promessa de que essas sim seriam imperdíveis.

Liga da Justiça diverte, não é excessivamente longo, mas não se aprofunda em nada. Falta textura aos personagens, contexto.

Afinal, qual é a maior realização de um filme cuja grande façanha foi não ser ruim?

Listamos abaixo os maiores acertos e erros do filme, a nosso ver.

 

Pontos Fortes:

1 – Mulher Maravilha

Gal Gadot mostra mais uma vez que foi um acerto enorme no casting de Mulher Maravilha. Ela está maravilhosa, e rouba a cena sempre que aparece. Assim como Ciborgue, sua personagem urge em fazer a coisa certa, mas diferente dele, ela tem muito carisma e consegue divergir do grupo sem fazer o papel do cara chato.

 

mulher maravilha em liga da justica 2“Cheguei… tô preparada pra atacar!”

 

Há algumas inconsistências em seu caráter. Por exemplo, a Diana Prince que nos foi apresentada em Mulher Maravilha não ficaria escondida por mais de 100 anos, até ser recrutada por Bruce Wayne em Batman x Superman. Ela é empática demais com a humanidade para negar seus deveres de heroína.

Mas isso não é nada que atrapalhe a personagem. Mulher Maravilha continua (perdoe-me a redundância) maravilhosa.

 

2 – Flash e Aquaman

Como tratamos anteriormente, por não haver tempo hábil para desenvolver a história dos novatos da Liga, recorreu-se ao humor como forma de gerar empatia entre eles e o público. E aqui, ganham pontos Flash e Aquaman.

Ezra Miller foi um acerto como Flash, sendo o principal responsável por dar mais leveza ao filme. De pensamento acelerado (bem, não só o pensamento), ele é o hiperativo que não tem papas na língua, tendo sempre as melhores sacadas.

 

ezra miller como flashFlash faz o papel de alívio cômico no longa

 

O Aquaman de Jason “Khal Drogo” Momoa não chega a ser tão escrachado como Flash, mas protagoniza também alguns momentos divertidos. Ele é o ogro brutamontes que no fundo tem um bom coração.

Minha crítica a este personagem é que no trailer de Liga da Justiça parecia que ele teria mais protagonismo nos momentos de luta, o que não aconteceu. Novamente, pareceu mais uma introdução para deixar o público instigado a assistir seu filme solo.

 

aquaman em liga da justicaGostou de Aquaman? Ele retornará aos cinemas em dezembro de 2018.

 

E de pontos fortes é só.

 

Pontos Fracos:

1 – Ben Affleck (e consequentemente, o Batman)

Um dia, há muito tempo atrás, alguém disse ao Ben Affleck que ele sabia atuar. E ele acreditou! Ben Affleck, que também é produtor, diretor e roteirista, e já foi sem teto, dormindo de caridade em sofás de amigos, ganhou seu primeiro Oscar junto de seu BFF Matt Damon em 1998, pelo Roteiro Original de Gênio Indomável. Anos depois, Argo, filmaço que dirigiu, ganhou o Oscar de Melhor Filme, rendendo a Affleck o Globo de Ouro de Melhor Diretor. Diante de tanto reconhecimento por trás das câmeras, era realmente necessário ele persistir em atuar?

 

ben affleck hello darkness my old friendHello darkness my old friend…

 

Não é só que ele seja um péssimo ator e consequentemente um péssimo Batman. É que ele substituiu Christian Bale, que foi um Batman memorável, o que faz com que as comparações sejam inevitáveis.

Batman já é um personagem mais arrogante, riquinho, mimado, e Affleck se certificou de que ele tivesse zero carisma.

 

2 – O vilão Lobo da Estepe

Contrariando o que a maioria dos fãs da DC esperavam, o vilão escolhido para o primeiro filme da Liga da Justiça não foi Darkseid, mas foi quase (ou era para ser). Lobo da Estepe é tio de Darkseid, e um de seus melhores generais. Sua primeira aparição nos quadrinhos, que ocorria majoritariamente por meio de flashbacks, foi em #Novos Deuses 7, em 1972.

Por não ser tão conhecido, seu papel no filme acabou não gerando tantas expectativas. No entanto, pelo fato de ser o antagonista da história, deveria ter carisma o suficiente para conseguir fazer com que empatizássemos com suas motivações, o que definitivamente não foi o caso. Lobo da Estepe não serve nem para alavancar os super heróis, fazendo-os brilhar.

 

lobo da estepe em liga da justicaPareço level hard, mas só pareço mesmo

 

Além disso, para alguém que é um dos melhores generais de Darkseid, faltou liderança ao vilão. Ele não soube comandar os parademônios, que parecem andar livremente, sem responder a ninguém.

 

3 – Ciborgue apagado

Em meio aos novatos, porém engraçadinhos, Aquaman e Flash, o apagado da vez acabou sendo Ciborgue. O que sabemos sobre ele em Liga da Justiça é que sofreu um acidente que o fez perder boa parte do seu corpo. Seu pai, um cientista, acabou o reconstruindo com partes robóticas, transformando-se então no Ciborgue.

Apesar de possuir no filme uma storyline consideravelmente desenvolvida se comparado a Aquaman e Flash, não é o suficiente para empatizarmos com o personagem. Por que ele é tão sombrio e se sente tão culpado?

 

ciborgue liga da justicaPor que tão sério?

 

O recurso utilizado para gerar empatia aos até então desconhecidos Aquaman e Flash foi desenvolver a via cômica destes personagens. No entanto, diferente deles, Ciborgue possui zero carisma. Não torcemos por ele porque, além de não compreendê-lo, não empatizamos com ele.

O longa até tenta dar alguma profundidade ao personagem quando há uma aparente aproximação entre ele e a Mulher Maravilha, mas isso é rapidamente esquecido.

Isso é uma pena, uma vez que o único personagem negro de Liga da Justiça merecia mais.

 

4 – Flertes entre Mulher Maravilha e Batman

A Mulher Maravilha é uma personagem incrível. Gal Gadot fez jus à heroína dos quadrinhos, e já expusemos isso aqui.

No entanto, não é compreensível a necessidade de um flerte/tensão sexual entre a única personagem feminina e um herói do sexo oposto. A personagem de Gadot é maravilhosa, independente e autossuficiente, e rouba a cena sempre que aparece. Ela não precisa de um par romântico para dar significado ao seu arco na história, e bater nessa tecla é reforçar um esteriótipo tão século passado…

 

ben affleck e gal gadotÉ sério que tá rolando um flerte?

 

E se fosse para colocá-la flertando com alguém, que fosse ao menos com o Aquaman, né… mas foi justamente com quem? O Ben Aff…digo, o Batman.

 

5 – Efeitos Especiais

O diretor de Liga da Justiça Zack Snyder acabou se afastando da pós produção do filme após o trágico suicídio de sua filha Automn, e sua ausência foi sentida no longa. A ausência de Snyder, conhecido por seu zelo e detalhismo, acabou causando desleixo no manejo dos efeitos especiais.

Henry Cavill, ator do Super Homem, precisou deixar seu bigode crescer devido ao seu personagem no longa Missão Impossível 6. Com isso, suas cenas como Super Homem foram filmadas com ele de bigode, e este foi digitalmente removido na pós produção. O problema é que esse detalhe no rosto do ator ficou ridículo.

 

henry cavill de bigodeHenry Cavill ostentando o bigode em seu Instagram

 

Os efeitos especiais para a remoção do bigode foram deploráveis, de modo que seu rosto, metade real/metade computadorizado, rouba a cena toda vez que o herói aparece, e não no bom sentido.

Além disso, os efeitos especiais para a construção do Lobo da Estepe e dos parademônios também deixou a desejar. Há jogos de PS4 com um trabalho de computação gráfica melhor que o usado  nos vilões de Liga da Justiça.

 

Apesar de a lista de erros ter ficado bem maior que a lista de acertos, vale à pena a ida ao cinema, pois o filme é OK. Só não é memorável. Se você for assisti-lo sem expectativa nenhuma, pode acabar até achando o filme bom. Afinal, poderia ser bem pior.

Esquadrão Suicida está aí para nos lembrar disso.

Boo Mesquita

Geek de carteirinha e cinéfila, ama assistir a filmes e séries, ir a shows, ler livros e jogar, sejam games no ps4 ou boards. Quando não está escrevendo, pode ser vista fazendo pole dance, comendo fora ou brincando com cachorrinhos. Me siga no Instagram!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *