As 5 principais referências de Dungeons & Dragons em Stranger Things

Se você viveu uma infância nerd, é impossível não se apaixonar por Stranger Things já nos primeiros cinco minutos de série. Sua primeira temporada nos apresenta aos personagens Mike, Will, Lucas e Dustin durante o que pode ser considerada a epítome do universo nerd: uma partida de RPG de mesa, que na série é representada pela sua mais importante franquia, o Dungeons & Dragons.

 

 

(se você não quer spoilers, talvez seja melhor não seguir a partir deste ponto, ok?)

Não é difícil perceber que Dungeons & Dragons acaba se mostrando a referência mais importante para a série, na medida em que sua complexa mitologia se torna uma metáfora para o modo como os meninos se unem para atuar como um verdadeiro grupo e interpretam os acontecimentos macabros que acontecem na cidade de Hawkins.

Na segunda temporada da série, as analogias e metáforas se intensificam, chegando ao ponto em que Dustin recorre ao manual de D&D para entender melhor a presença maligna com a qual eles estão lidando. Ou seja, o sonho de todo(a) garoto(a) que não gostava das aulas de educação física se realiza: o dia em que seus conhecimentos nerds serão mais importantes do que habilidades em esportes.

Com isso, temos uma das cenas mais gratificantes para quem era nerd de carteirinha no colégio, quando o jogo vira e Mike fala para Steven que sua metáforas e habilidade em esportes não vão ajudar a resolver o problema.

“This isn’t a stupid sports game!”

 

steve stranger things
Onde está seu Deus agora, Steve?

 

Então vamos às referências:

 

1 – “The Party”

Para começar, o núcleo mais jovem da série se auto-denomina uma “Party”. Mas o que isso quer dizer?

Em um jogo de RPG, cada jogador controla um personagem específico, que em grupo formam uma equipe multifuncional com classes e habilidades complementares. Isso fica bastante explícito quando Max, a mais recente amiga tenta entrar no grupo e Mike a rejeita, mandando o papo: ele é o Paladino, Will é o Clérigo, Dustin é o Bardo, Lucas é o Ranger e Eleven é a Maga. Não há espaço para novos integrantes.

Max, que nunca jogou RPG, diz que ela pode entrar no grupo sim, pois é uma “Zoomer”. Mas o que é uma “Zoomer”? Nada! Essa classe não existe no D&D.

No entanto, apesar de inventar essa classe para si mesma, com o passar dos episódios, vemos que ela complementa sim o grupo, fazendo o papel de Barbarian: forte, esquentada e impulsiva.

 

max em stranger thingsO que raios é uma “Zoomer”, Max?

 

2 – O Demogorgon

Conforme a história se desenvolve e os personagens se deparam com um monstro que vai além da mesa de RPG, a primeira referência que vem a cabeça é o Demogorgon. Em Dungeons & Dragons, esta criatura também é chamada de “Príncipe dos Demônios”, e tem uma aparência física um pouco diferente. O Demogorgon do universo de D&D tem mais de 5 metros de altura, corpo de réptil e duas cabeças de babuíno, cada uma com uma personalidade diferente.

 

Demogorgon - Stranger Things X D&DNão sei vocês, mas eu acho o Demogorgon do D&D mais fofinho

 

3 – True Sight

“True Sight” é como Mike se refere a habilidade adquirida por Will que o permite ter visões do Mundo Invertido. Mais uma vez, Mike usa como referência o universo de Dungeons & Dragons, já que “True Sight”, ou “True Seeing”, refere-se ao nome de uma magia usada por Clérigos (lembra que segundo Mike esta seria a classe de Will?). Esta magia permite que o seu executor veja tudo em sua forma original, sendo capaz de enxergar criaturas e objetos invisíveis, e detectar ilusões, ficando imune às mesmas.

Mais importante ainda, o conjurador da magia é capaz de enxergar o “Plano Etéreo”, que de acordo com a descrição de Dungeons & Dragons seria uma dimensão enevoada, figurando como uma sobreposição do “Plano Material e dos “Planos Interiores”.

 

will byers em stranger thingsO que você está vendo, Will Byers?

 

4 – Mind Flayer

Em sua segunda temporada, os Duffer Brothers precisaram subir o nível do vilão anterior. O Demogorgon cumpriu seu papel como uma assustadora máquina de matar, mas o bagulho agora precisava ser ainda mais sinistro. O novo antagonista introduzido, inicialmente era chamado pelos personagens de “Shadow Monster”, começou a suscitar palpites do público nerd, que apostou que ele seria uma Thessalhydra, um monstro de 8 cabeças que aparece de forma fictícia na mesa de RPG dos personagens no encerramento da primeira temporada.

No entanto, Dustin, que desde o início da série se revela como o maior conhecedor dos diferentes monstros de D&D, detecta sua similaridade com um Mind Flayer, uma poderosa criatura que vive no subterrâneo, odeia luz do sol, e possui habilidades telepáticas. O Mind Flayer é uma das criaturas mais tradicionais da mitologia de Dungeons & Dragons e vivem em sociedades secretas que variam de 200 a 2.000 integrantes.

 

mind flayer dungeons & dragonsO Mind Flayer teve sua primeira aparição nos livros de D&D em 1977

 

Na série, o Mind Flayer tem um aspecto bastante diferente do visual humanóide do monstro de D&D. Em Stranger Things, o vilão tem múltiplas patas como uma aranha e mais de 15 metros de altura. E ao que tudo indica, atua de forma solitária, apesar de também possuir habilidades psíquicas.

 

shadow monster em stranger thingsDraw me like one of your french girls

 

5 – Vale of Shadows

Ao tomarem conhecimento da existência do Mundo Invertido, Dustin rapidamente faz uma analogia ao Vale of Shadows. Conforme a descrição na série, seria uma dimensão que atua como um reflexo obscuro, ou um eco, do nosso mundo. Um lugar de decadência e morte.

Apesar de o nome “Vale of Shadows” não existir em nenhum livro oficial de Dungeons & Dragons, existe um lugar parecido, que leva o nome de “Plane of Shadow” ou Shadowfell. Sua descrição é muito similar a apresentada na série: “Shadowfell é um eco sombrio do mundo mortal, um reino crepuscular que existe “do outro lado” do mundo e dos habitantes da terra”.

 

The Vale of Shadows em Stranger ThingsDustin sabe mesmo um coisa ou duas sobre a mitologia de Dungeons & Dragons

É impressionante a riqueza de referências apresentada pelos Irmãos Duffer em Stranger Things, mas claramente o universo RPGístico de Dungeon & Dragons (e mais especificamente o mundo de fantasia de Forgotten Realms) exerce papel crucial como fio condutor da narrativa.

Você conseguiu detectar mais referências de D&D na série? Conta pra gente nos comentários!

 

Marcos Malagris

Publicitário, professor de marketing digital e graduando em Psicologia, gasta seu escasso tempo livre navegando na Interwebz, consumindo nerdices e contemplando a efemeridade da existência. Me siga no Twitter ou no Facebook!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *